Unidade Curricular:Código:
Psicopedagogia Aplicada: Necessidades Educativas Especiais1023PANE
Ano:Nível:Curso:Créditos:
3LicenciaturaTerapêutica da Fala3 ects
Período Lectivo:Língua de Instrução:Nº Horas:
Primeiro SemestrePortuguês/Inglês39
Objectivos de Aprendizagem:
Os objetivos desta UC são os seguintes :
O1- Conhecer a evolução dos modelos de educação especial até à Inclusão
O2- Compreender os princípios da educação inclusiva
O3- Identificar os alunos elegíveis para os serviços especializados
O4- Compreender o papel do Terapeuta da Fala na atual organização do sistema educativo português
O5- Adquirir competências relativas a intervenção do terapeuta da fala em alunos com necessidades especiais e aos respetivos serviços de apoio educativo
O6- Aplicar os conhecimentos adquiridos em situações práticas
Conteúdos Programáticos:
CP1. Educação Regular, Educação Especial e Inclusão
1.1. Evolução da educação especial
1.2. A mudança de paradigma no atendimento aos alunos com Necessidades Educativas Especiais
1.3. Pressupostos da educação inclusiva - o papel do terapeuta da fala
CP2. Terapia da fala nos contextos educativos
2.1 identificação e categorização: modelos clínicos e educacionais.
2.2. Intervenção nas Necessidades de Saúde Especiais/Perturbações do Neurodesenvolvimento.
Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objectivos da Unidade Curricular:
Os conteúdos programáticos (CP) foram delineados em função dos objetivos de aprendizagem (O) da UC, no sentido de promover o desenvolvimento de competências que permitam aos alunos aprofundar conhecimentos, analisar e refletir de modo crítico sobre a intervenção do Terapeuta da Fala em contexto educativo. Pretendem ainda contribuir para a construção de um raciocínio mais adequado no âmbito desta temática, como facilitador na análise de aprendizagens típicas e atípicas, inerente ao exercício profissional em Terapia da Fala. Assim: CP1 corresponde ao O1, O2 e O4; CP2 corresponde ao O3, O5 e O6.
Metodologias de Ensino (Avaliação Incluída):
Participação pró-ativa nas actividades de ensino colectivo e nas sessões de orientação tutorial, cumprimento da assiduidade de acordo com o Regulamento pedagógico da UFP.
Realização de: 1 teste escrito (60%) e 1 trabalho escrito (paper) + apresentação oral (40%),
com um mínimo de 10 valores na avaliação final da UC.
(Nota: a não realização de um destes tipos de avaliação implica avaliação negativa na disciplina)
Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objectivos de Aprendizagem da Unidade Curricular:
A metodologia utilizada nas aulas teórico-práticas (de caráter mais expositivo e participativo com estudos de casos, apresentação, análise e discussão de temáticas nas aulas, bem como orientação em reflexões críticas e na pesquisa e leitura de bibliografia específica), permite obter junto dos alunos um aprofundamento de conhecimentos, bem como uma maior compreensão e capacidade de discussão sobre os conteúdos abordados, facilitando o relacionamento da pertinência dos mesmos para a atuação do terapeuta da fala, promovendo a integração de conceitos, capacidade de pesquisa, análise e reflexão crítica Deste modo, considera-se que as metodologias de ensino adotadas para esta unidade curricular são coerentes com os objetivos definidos para a mesma, uma vez que permitem um aprofundamento de conhecimentos, fomentam o relacionamento de conceitos, a capacidade de análise, discussão e reflexão, com estabelecimento de ligação dos conteúdos abordados e da sua pertinência à prática profissional do Terapeuta da Fala em contexto de escola inclusiva
Bibliografia:
American Speech-Language-Hearing Association (2000). Guidelines for the roles and responsabilities of school-based speech-language pathologist. Rockville. MD: Author.
APA (2014). DSM 5: Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais. Lisboa: CLIMEPSI
Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular (2007). Práticas em contexto educativo: Terapeutas da Fala/Docentes de Educação Especial. Ministério da Educação [disponível em http://www.dgidc.min-edu.pt/especial/]
Correia, L. & Martins, P.(2002). Inclusão: Guia para Professores e Educadores. Braga: Quadrado Azul
Legislação (Diário da República)
Giroto. C. (2014). Atuação fonoaudiológica na Educação Inclusiva. In Tratado das especialidades em fonoaudiologia. São Paulo.
Kauffman, L. & Lopes, J. (2007). Pode a Educação Especial deixar de ser especial?. Braga: Psiquilibrios.