Unidade Curricular:Código:
Vias de Comunicação1034VCOM
Ano:Nível:Curso:Créditos:
3LicenciaturaEngenharia Civil6 ects
Período Lectivo:Língua de Instrução:Nº Horas:
Primeiro SemestrePortuguês/Inglês78
Objectivos de Aprendizagem:
Os alunos deverão obter conhecimentos teórico-práticos e técnicas que permitam analisar, desenvolver, executar e fiscalizar projetos de estradas de qualquer dimensão e importância na hierarquia viária nacional. De uma forma menos aprofundada são também fornecidos conhecimentos gerais ao nível das vias ferroviárias. Através da elaboração de algumas partes do projeto de uma via rodoviária os alunos terão oportunidade de fazer aplicação prática dos conhecimentos adquiridos.
Conteúdos Programáticos:
1.Introdução
1.1.Categoria da estrada
1.2.Velocidade base e de tráfego
1.3.Introdução aos estudos de tráfego
2.Geometria do traçado em planta
2.1.Constituição do traçado
2.2.1. Alinhamento reto
2.2.2. Curva circular:raio,sobreelevação,sobrelargura e piquetagem
2.2.3. Clotóide:dimensionamento e piquetagem
2.2.4. Curva composta:ripagem e piquetagem
2.2.5. Disfarce da sobreelevação
3.Geometria do traçado em perfil longitudinal e transversal
3.1.Peças constituintes do projeto
3.2.Perfil longitudinal
3.3.Perfil transversal
3.4.Coordenação do traçado em planta e em perfil longitudinal
3.5.Drenagem
4.Terraplenagens e Movimento de terras
4.1.Cálculo de volumes de escavação e aterro
4.2.Método da média das áreas
4.3.Distribuição de terras
5.Breves noções de geotecnia
6.Introdução ao estudo de Pavimentos Rodoviários
6.1.diferentes tipos de pavimentos
6.2.Pavimentos rígidos e flexíveis
7.Vias-férreas
Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objectivos da Unidade Curricular:
Tendo como objetivo fornecer aos alunos conhecimentos que lhes permitam analisar, desenvolver, executar e fiscalizar projetos de estradas são forncidos aos alunos conhecimentos práticos sobre o dimensionamento das estradas abrangendo as principais fases do projeto: traçado em planta, em perfil longitudinal e estudo dos perfis transversais. Ainda neste contexto surge o capítulo destinado às terraplanagens e movimentos de terras de extrema importância numa obra de estradas.
É ainda abordada nesta disciplina a temática da ferrovia de forma a fornecer aos alunos conhecimentos gerais sobre esta componente tão importante das vias de comunicação.
Metodologias de Ensino (Avaliação Incluída):
Regime geral – Avaliação contínua
Componente teórico-prática
São fatores intervenientes na classificação desta componente os seguintes elementos:
A. Duas provas de avaliação, ambas de carácter teórico-prático com consulta de apenas um formulário fornecido no inicio da prova, em datas a definir e que decorrerão durante o período letivo. As provas têm a duração de 120 minutos, sem tolerância, incidindo sobre o programa lecionado até ao momento da prova.
B. Um trabalho prático (realizado individualmente ou em grupos de 2) que consiste na realização de algumas componentes do projeto de uma estrada de duas vias, entregue em data a definir.
A classificação final do aluno (avaliação contínua) será calculada através da seguinte fórmula:
Nota final = 0,40*A1+0,40*A2+ 0,20*B
A1 (prova de avaliação 1), A2 (prova de avaliação 2) e B são classificações na escala de 0 a 20.
Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objectivos de Aprendizagem da Unidade Curricular:
Com o intuito de preparar os alunos para o projeto de vias é proposta a realização de um trabalho prático onde os alunos têm que aplicar todos os conhecimentos adquiridos de uma forma menos académica e mais próxima da prática.
Bibliografia:
[1] MOPTC/SEOP (1994) - Junta Autónoma de Estradas (JAE) – “Normas de Traçado”
[2] FRANÇA, A. (1995) – “Geometria do traçado”; “O estudo do traçado de estradas”, integrados nos Apontamentos de Vias de Comunicação da Disciplina de Vias de Comunicação da FEUP – Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.
[3] Couto, A. J. F. (1996) – “Cálculo do perfil longitudinal” – FEUP
[4] IEP (2002) – “Manual de drenagem superficial em vias de comunicação”
[5] Esveld, C. (2001) – “Modern railway track” – Delft University of Technology, Second Edition
[6] UIC 719R (2009) – “Earthworks and track bed for railway lines” – 3rd edition, UIC
[7] EN 13286-47 (2004): “Unbound and hydraulically bound mixtures - Part 47: Test method for the determination of California bearing ratio, immediate bearing index and linear swelling”, CEN
[8] Especificação LNEC E197-1966: “Solos. Ensaio de compactação”, LNEC
Docente (* Responsável):
Ana Alves Ribeiro (anaalvesribeiro@ufp.edu.pt)
Jorge Reis (jreis@ufp.edu.pt)