Unidade Curricular:Código:
Estrutura do Território de Urbanização Difusa270ETUD
Ano:Nível:Curso:Créditos:
4Ciclo IntegradoArquitectura e Urbanismo7 ects
Período Lectivo:Língua de Instrução:Nº Horas:
Segundo SemestrePortuguês/Inglês91
Objectivos de Aprendizagem:
A disciplina pretende sensibilizar o aluno para as características do território urbanizado ao longo das últimas décadas do século XX e correntemente designado «urbano», a partir da desconstrução de ideias feitas e conceitos pré-formatados e do alargamento da compreensão terminológica. Centrada na Europa Central e, em particular, em Portugal, a UC visa proporcionar um conjunto de conhecimentos organizados acerca das condições de funcionamento espacial dos territórios urbanos contemporâneos, assim como desenvolver a capacidade de perceção articulada das diferentes configurações territoriais impressas por fenómenos de âmbito diverso. A partir da análise espacial a escalas diversas, o aluno deverá ainda ser capaz de reconhecer (alguns dos) elementos, latentes ou explicitamente, estruturantes dos territórios de urbanização difusa, explicando essa capacidade através da organização morfológica e funcional.
Conteúdos Programáticos:
1 – CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO
1.1 – Noções e conceitos base
1.2 – Fatores e processos de urbanização
2 – OS ESPAÇOS URBANIZADOS (ênfase morfológico)
2.1 – Os sistemas urbanos
2.2 – Processos de apreensão do território urbanizado
3 – AS NOVAS “ESPACIALIDADES” TERRITORIAIS (trabalho teórico-prático)
3.1 – A(s) forma(s) do espaço urbano
3.2 – A leitura/apreensão do espaço urbano
3.3 – Formas urbanas e lógicas de implantação
3.4 – Formas urbanas e lógicas/instrumentos de ordenamento: a(s) estrutura(s) do território de urbanização difusa
Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objectivos da Unidade Curricular:
O capítulo 1 proporciona ao aluno as noções base que lhe permitem compreender as mutações urbanas da segunda metade do século XX. O capítulo 2 sustenta as questões fundamentais de alteração da «forma urbana», debatendo os tipos de aglomeração e as unidades de leitura/atuação territoriais formais e informais. Estes dois primeiros apartados sistematizam os conteúdos que permitem ao aluno distinguir os processos típicos de expansão urbana e algumas das conformações mais correntes da cidade contemporânea (em especial, por oposição à cidade industrial).
O capítulo 3 assenta a observação e explanação do território numa área de estudo concreta, proporcionando aos alunos um suporte real de aplicação da matéria lecionada ao mesmo tempo que exige e confere à-vontade no trabalho a diferentes escalas e um pensamento efetivo sobre os elementos estruturantes da área de estudo e da sua transformação nessa diversidade de representação cartográfica.
Metodologias de Ensino (Avaliação Incluída):
A metodologia da presente UC está em estreita relação com os capítulos programáticos: o primeiro apoia-se na leitura e discussão intra-turma de um conjunto de textos previamente disponibilizados ao aluno; o segundo organiza-se em aulas expositivas/descritivas mais formais; o terceiro estrutura-se em torno de um trabalho teórico-prático e do seu acompanhamento tutorial individualizado em sala de aula.
O método de avaliação divide-se em duas componentes: a componente teórica e a componente teórico-prática/prática-laboratorial. A componente teórica assenta fundamentalmente na resposta a dois testes escritos de avaliação individual. A componente teórico-prática/prática-laboratorial assenta na realização de um trabalho de carácter essencialmente prático, cujo desenvolvimento e fundamentação supõe investigação e suporte teórico específicos.
A nota apurada resulta da classificação atribuída a estes vários momentos de avaliação que serão contabilizados em percentagens distintas.
Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objectivos de Aprendizagem da Unidade Curricular:
O conjunto de leituras propostas sobre o tema do «urbano» e discutidas em sala de aula visa provocar um confronto «de choque» entre os alunos e as suas próprias noções relativas a designações e processos urbanos, perceções interessantes de questionar como ponto de partida porque correntemente demonstram ser limitadas e preconceituosas. O que se verifica é que, gradualmente, a partir da assimilação conceptual contida nos textos, aquelas evoluem de um entendimento mais tradicional para um outro, de maior e mais atual amplitude, abrindo-se a horizontes de compreensão mais alargados e a uma maior flexibilidade mental. Após este primeiro momento de desconstrução terminológica e processual, um conjunto de aulas mais expositivas organiza a matéria anterior, partindo de perspetivas mais gerais e concretizando-se no espaço nacional. Desenvolvido em paralelo, ao longo de todo o semestre, o exercício de análise urbana (trabalho teórico-prático), concentrado num «fragmento» da Área Metropolitana do Porto, permite o confronto entre teoria e realidade a partir de várias unidades de leitura territorial, assim como aferir o reconhecimento dos conteúdos lecionados num lugar concreto e qual a sua expressão própria – quer através de plantas de diferentes escalas e distintos períodos temporais (3 momentos entre finais da década de 1940 e a atualidade), quer «in loco» através de visitas à área de estudo. O acompanhamento tutorial deste trabalho possibilita a orientação do estudante de acordo com a sua progressão individual, reagindo perante as dificuldades e lacunas de compreensão de cada aluno, mas também estimulando as potencialidades de cada um.
Bibliografia:
[1] AAVV (2004). L'explosió de la ciutat/The explosion of the city. Barcelona. COACPUBLICACIONS.
[2] Graham, S.; Marvin, S. (2003). Splintering Urbanism: networked infrastructures, technological mobilities and the urban condition. London/NY. Routledge.
[3] Ferrão, J.; Marques, T. S. (2003). Sistema Urbano Nacional: Síntese. Lisboa. DGOTDU.
[4] Marques, T. S. (2004). Portugal na Transição do Século: Retratos e Dinâmicas Territoriais. Porto. Edições Afrontamento.
[5] Portas, N. et al. (2003). Políticas Urbanas: tendências, estratégias e oportunidades. Lisboa. FCG.
[6] Portas, N. et al. (2011). Políticas Urbanas II: transformações, regulação e projectos. Lisboa. FCG.
[7] Sociedade e Território: Revista de Estudos Urbanos e Regionais (42) – Ocupação dispersa: problemática, custos e benefícios (2009). Porto. Afrontamento.
[8] Eizaguirre, X. (Ed.) (2001) La construcción del territorio disperso: Talleres de reflexión sobre la forma difusa. Barcelona. Edicions UPC.