Unidade Curricular:Código:
Integração à Vida Profissional (Hosp) - Ensino Clínico852IVPH
Ano:Nível:Curso:Créditos:
4LicenciaturaEnfermagem12 ects
Período Lectivo:Língua de Instrução:Nº Horas:
Segundo SemestrePortuguês/Inglês156
Objectivos de Aprendizagem:
A unidade curricular visa promover a perspetiva de que os cuidados de enfermagem podem / devem englobar o cliente, a família, o grupo e a comunidade. E para que o aluno se torne um enfermeiro competente na área da prestação hospitalar e da gestão dos cuidados de enfermagem, no desenvolvimento da profissão e na construção de uma consciência contributiva para o reforço da identidade profissional, o aluno deve atingir os seguintes objetivos: Demonstrar a integração dos conhecimentos aprendidos ao longo de todas as unidades curriculares; Fundamentar a tomada de decisão clínica em evidência científica; Agir em conformidade com os valores éticos e deontológicos da profissão; Assumir plenamente a responsabilidade de todos os atos que pratica revelando sensibilidade e proatividade no desenvolvimento de projetos de saúde; Demonstrar domínio de raciocínio crítico na apreciação, diagnóstico e gestão de problemas; Utilizar o processo de enfermagem na organização e documentação dos cuidados.
Conteúdos Programáticos:
No decurso do estágio, que se realiza em Serviços Hospitalares, são mobilizáveis todos os conteúdos que constam do Plano Curricular do Curso.
Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objectivos da Unidade Curricular:
A lógica formativa no processo de integração à vida profissional, utilizada no ensino clínico, assemelha-se à mesma utilizada nos enfermeiros recém-formados, ou seja, procura-se transmitir um padrão de atuação cultural, através da experiência, de modelos de atuação profissional, de modo que a integração e subordinação a essa atividade seja realizada conforme lhe é exigido.
A influência mútua da figura do enfermeiro orientador/auxiliar pedagógico e do enfermeiro supervisor, potenciam o desempenho do aluno, capacitando-o permanentemente para a decisão clínica estruturada e baseada na evidência científica. A teoria tem repercussões na prática e as práticas influenciam e atualizam o processo de ensino/aprendizagem.
Metodologias de Ensino (Avaliação Incluída):
O grande objetivo das metodologias utilizadas visa a responsabilização individual, a potencialização da autonomia profissional, e a integração consequente numa equipa multidisciplinar. Esta etapa final de integração à vida profissional utiliza estratégias de supervisão tutorial permanente, através do enfermeiro orientador do enfermeiro supervisor. Através da problematização e resolução de situações-problema, o aluno faz a consciencialização gradual dos diferentes papéis e das inerentes competências, que lhes são exigidas.
O recurso a trabalhos com pesquisa bibliográfica, ao método de apresentação oral, por parte do aluno, para a equipa que integra e a realização de relatórios consolida o percurso formativo.
A integração social que acontece nas organizações é fundamental, onde todos os profissionais se responsabilizam e colaboram no processo formativo do aluno. O aluno tem a possibilidade em cenário real, assumir o seu papel, e explorar a competências adquiridas.
Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objectivos de Aprendizagem da Unidade Curricular:
Em qualquer dos estilo de supervisão, o supervisor utiliza metodologias de tipo não-directivo (valoriza, atende o mundo do estudante e as suas iniciativas, sabe ouvir o estudante, encoraja, ajuda-o a clarificar as suas ideias e os seus sentimentos e pede-lhe outras informações quando elas são necessárias) de tipo directivo (concentra as suas preocupações em dar orientações, em estabelecer critérios e condicionar as atitudes do estudante) e de tipo colaborativo (utiliza estratégias de colaboração e verbaliza o que o estudante lhe vai dizendo, fazendo sínteses das sugestões e dos problemas e ajudando a resolvê-los). Assim, permite concretizar os objetivos da Unidade Curricular, nomeadamente o de ser capaz de promover a transferência dos conhecimentos adquiridos para o contexto de prática clínica, reflectir sobre as experiências individuais vividas em contexto de estágio e demonstrar uma atitude crítico-reflexiva perante as práticas.
Bibliografia:
BUTTERWORTH, L. [et al.] – Wicked spell or magic bullet? A review of the clinical supervision literature 2001-2007. Nurse Education Today, vol. 28, p. 264-272, 2008.
KOIVU, A.; SAARINEN, P.; HYRKÄS, K. – Stress relief or practice development: varied reasons for attending clinical supervision. Journal of Nursing Management, vol.19, p.644-654, 2011.
MACEDO, M. - Supervisão na integração de enfermeiros à luz do modelo bioecológico. Dissertação de Mestrado. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2012.
ORDEM DOS ENFERMEIROS - Divulgar: Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros, 2012
PINTO, D. – Indicadores de estratégias de supervisão clínica em enfermagem. Porto: Escola Superior de Enfermagem do Porto. Dissertação de Mestrado, 2013.
Docente (* Responsável):
Andreia Lima (amlima@ufp.edu.pt)