Unidade Curricular:Código:
Enfermagem Cirúrgica II - Ensino Clínico852ECR2
Ano:Nível:Curso:Créditos:
3LicenciaturaEnfermagem12 ects
Período Lectivo:Língua de Instrução:Nº Horas:
Primeiro SemestrePortuguês/Inglês156
Objectivos de Aprendizagem:
•Demonstrar capacidade de integração com a equipa;
•Demonstrar integração dos conhecimentos teóricos na prática clínica;
•Compreender as funções e responsabilidades dos enfermeiros no perioperatório;
•Prestar cuidados cirúrgicos, tendo em conta o Processo de Enfermagem;
•Compreender os princípios de cicatrização da ferida cirúrgica;
•Conhecer os tipos de anestesias utilizados;
•Integrar os conhecimentos de ética e de deontologia profissional.
•Garantir a segurança da administração de substâncias terapêuticas;
•Estabelecer com o doente/família relação terapêutica;
Competências:
•Exerce de acordo com o quadro ético e deontológico (5 a 15)
•Atua de acordo com os fundamentos da prestação e gestão de cuidados (20- 30)
•Utiliza a metodologia do Processo de Enfermagem, pela elaboração de estudo de caso (44- 58)
•Estabelece relações interpessoais eficazes com doente e família (61- 64)
•Promove um ambiente seguro e valorização da profissão (68 -83)
Conteúdos Programáticos:
Os conteúdos programáticos para o EC, são os que foram abordados ao longo da teórica da UC. O aluno deverá ao longo do seu percurso formativo na componente prática, mobilizar e ter presentes os conhecimentos que adquiriu e que tem de adquirir perante as situações reais. No decurso do estágio, que se realiza preferencialmente em Serviços de Medicina, são mobilizáveis os diversos conteúdos que constam da Unidade Curricular de Enfermagem Cirúrgica I e também os conhecimentos das outras UCs do Curso, bem como outros que sejam abordados no decurso dos Seminários.
Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objectivos da Unidade Curricular:
Pretende-se que os conteúdos desenvolvidos no EC, estejam em consonância com os objetivos anteriormente formulados, permitindo capacitar os alunos com os conhecimentos teórico-práticos, integrando-os na UC teórica e pratica.
Os conteúdos que integram este estágio, têm a abrangência para que todos os princípios norteadores da profissão e da prática da Enfermagem estejam contemplados. Todos os conteúdos, são fundamentais para que os alunos adquiram os conhecimentos necessários á compreensão de todo o processo que irá permitir ao estudante desenvolver a capacidade de observação, de analise, de critica e de saber fazer, face aos contextos práticos no âmbito da Enfermagem Médica, sendo capazes de planear, executar e avaliar cuidados de enfermagem ao doente do foro médico, com as suas necessidades afetadas.
Metodologias de Ensino (Avaliação Incluída):
A assiduidade é obrigatória às unidades curriculares do ensino clínico e seminário em pelo menos 90% da carga horária da unidade curricular, de acordo com o Regulamento da UFP.
A avaliação contínua é composta por:Avaliação Intercalar e Avaliação Final (70%) e Elaboração de Estudo de Caso (30%).
A coordenação e avaliação dos alunos são da responsabilidade da Equipa Pedagógica da instituição de ensino, coadjuvada pelos Enfermeiros Orientadores dos Serviços de Saúde. Serão agendadas reuniões da equipa pedagógica e alunos, para o acompanhamento da aprendizagem, o que não invalida outros encontros extraordinários de avaliação, sempre que a mesma equipa considerar necessário.
A avaliação é feita tendo por base uma grelha de avaliação, construída a partir do documento “Regulamento do perfil de competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais” (O E), o Relatório de Estágio e a participação nos Seminários. Será de acordo com os objetivos delineados e terá caráter formativo e sumativo.
Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objectivos de Aprendizagem da Unidade Curricular:
Com esta UC pretende-se proporcionar ao estudante a possibilidade de adquirir conhecimentos no âmbito da enfermagem Medico de forma a integrá-los na prática clínica, de refletir sobre as experiências individuais vividas em contexto de estágio e demonstrar uma atitude crítico-reflexiva. Serão privilegiadas as metodologias interativas, adaptadas a cada aluno ou em função das circunstâncias presentes em cada momento. Podem ser do tipo não-diretivo (valoriza, atende o mundo do estudante e as suas iniciativas, sabe ouvir o estudante, encoraja, ajuda-o a clarificar as suas ideias e os seus sentimentos e pede-lhe outras informações quando elas são necessárias) de tipo diretivo (concentra as suas preocupações em dar orientações, em estabelecer critérios e condicionar as atitudes do estudante) e de tipo colaborativo (utiliza estratégias de colaboração e verbaliza o que o estudante lhe vai dizendo, fazendo sínteses das sugestões e dos problemas e ajudando a resolvê-los.
Bibliografia:
NETTINA, S. (2007). de Enfermagem. Rio de Janeiro: 8.ª ed., Guanabara Koogan,
CUNHA, E. L. (2008) - Enfermagem em Ortopedia. Lisboa: Lidel – Edições Técnicas, Ldª.
MONAHAN F.; SANDS J.; NEIGHBORS M.; MAREK J.; GREENN C. Enfermagem Médico-Cirúrgica: Perspetivas de Saúde e Doença; 8ª Edição, Editora lusodidacta, Loures, 2010
PHIPPS, J. et al (2010) - Enfermagem Médico-Cirúrgica: Perspectivas de Saúde e Doença. 8ª. Ed. Loures: Lusodidacta.
PORTUGAL. Ministério da saúde (2011). Manual de Normas de Enfermagem: Procedimentos Técnicos. 3ª ed. Lisboa.
OTHROCK, J. & Alexander C. (2008) - Cuidados de enfermagem ao paciente cirúrgico. 13ª ed. Loures: Lusodidacta
POTTER, P. (2006) - Fundamentos de Enfermagem -Conceitos e Procedimentos. Lusociência ROCHA, M.J. et al (2006) - Feridas Uma arte secular – Avanço Tecnológicos no Tratamento de Feridas. 2ª Edição. Coimbra: Minerva
Docente (* Responsável):
Margarida Ferreira (mmferreira@ufp.edu.pt)