Unidade Curricular:Código:
Enfermagem nos Autocuidados - Ensino Clínico1077EAUT
Ano:Nível:Curso:Créditos:
2LicenciaturaEnfermagem11 ects
Período Lectivo:Língua de Instrução:Nº Horas:
Primeiro SemestrePortuguês/Inglês143
Objectivos de Aprendizagem:
• Perceber o funcionamento e dinâmica dos Serviços;
• Perceber a organização e priorização dos cuidados;
• Mobilizar e integrar os conhecimentos, aptidões e competências desenvolvidas nas unidades curriculares do plano de estudo, até ao momento para a aplicação do processo de enfermagem nos contextos clínicos onde desenvolve o ensino clínico, ao nível dos autocuidados.
• Iniciar o desenvolvimento de competências no âmbito das intervenções autónomas e interdependentes do exercício profissional de enfermagem à pessoa inserida no seu contexto sócio familiar.
• Desenvolve capacidades que contribuam para o aperfeiçoamento da aprendizagem.
• Demonstrar capacidade e competências para a prestação de cuidados de enfermagem à pessoa inserida no seu contexto sócio familiar utilizando uma metodologia científica e fundamentando a sua tomada de decisão.
Conteúdos Programáticos:
No decurso do estágio, que se realiza preferencialmente em Unidades de Internamento de Serviços de Medicina e de Unidades de Cuidados Continuados, são mobilizáveis os diversos conteúdos que constam das Unidades Curriculares de Epistemologia, modelos e processos de Enfermagem e Autonomia e Processo de decisão nos cuidados de Enfermagem, mas também de todas as outras Unidades Curriculares do Curso, bem como outros que sejam abordados no decurso dos Seminários.
Demonstração da Coerência dos Conteúdos Programáticos com os Objectivos da Unidade Curricular:
O Estágio pretende promover o encontro entre os profissionais e o aluno num contexto de trabalho e destina-se a complementar a formação teórico-prática e à consciencialização gradual dos diferentes papéis do enfermeiro e das competências requeridas. Considerando os conteúdos programáticos das Unidades Curriculares de Unidades Curriculares de Epistemologia, modelos e processos de Enfermagem e Autonomia e Processo de decisão nos cuidados de Enfermagem, e em função das características dos Serviços onde são realizados os Estagios, espera-se que o Aluno compreenda a coerência dos conhecimentos teóricos, teórico práticos e práticos adquiridos nas unidades teóricas com a prática clínica, e que perceba e desenvolva competências no desenvolvimento do Processo de Enfermagem, na relação e na comunicação terapêuticas e nas metodologias de registo dos cuidados.
Metodologias de Ensino (Avaliação Incluída):
O acompanhamento do Aluno assenta no conceito de supervisão clínica enquanto processo em que um profissional experiente orienta o estudante no desenvolvimento humano, educacional e profissional, numa atitude de monitorização sistemática da prática através de procedimentos de reflexão e experimentação, supervisão essa que assenta em dois modelos possíveis: de orientação pedagógica, com o recurso à figura de orientador pedagógico (o enfermeiro assume a responsabilidade de acompanhar, orientar e avaliar um grupo de estudantes) ou de orientação tutorial (acompanhamento do aluno por parte de um profissional experiente do Serviço. A avaliação é feita tendo por base uma grelha de avaliação, construída a partir do documento “Regulamento do perfil de competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais” (Ordem dos Enfermeiros), o Relatório de Estágio e a participação nos Seminários. O Aluno tem sucesso quando a sua classificação final é igual ou superior a 10 valores.
Demonstração da Coerência das Metodologias de Ensino com os Objectivos de Aprendizagem da Unidade Curricular:
Em qualquer dos estilos de supervisão, o supervisor utiliza metodologias de tipo não-directivo (valoriza, atende o mundo do estudante e as suas iniciativas, sabe ouvir o estudante, encoraja, ajuda-o a clarificar as suas ideias e os seus sentimentos e pede-lhe outras informações quando elas são necessárias) de tipo directivo (concentra as suas preocupações em dar orientações, em estabelecer critérios e condicionar as atitudes do estudante) e de tipo colaborativo (utiliza estratégias de colaboração e verbaliza o que o estudante lhe vai dizendo, fazendo sínteses das sugestões e dos problemas e ajudando a resolvê-los). Assim, permite concretizar os objetivos da Unidade Curricular, nomeadamente o de ser capaz de promover a transferência dos conhecimentos adquiridos para o contexto de prática clínica, reflectir sobre as experiências individuais vividas em contexto de estágio e demonstrar uma atitude crítico-reflexiva perante as práticas.
Bibliografia:
Bibliografia Principal:
[1] POTTER, PERRY (2006).Fundamentos de Enfermagem -Conceitos e Procedimentos. Lusociência
[2] COLLIÉRE, M.F. (1999). Promover a Vida. Da prática das mulheres de virtude aos cuidados de enfermagem.Lisboa, 2ªTiragem.Edicões técnicas e sindicato dos Enfermeiros Portugueses
[3] Manual de Normas em Enfermagem, Procedimentos Técnicos (2011) em http://www.acss.min-saude.pt/Portals/O/Direccoes_e_Unidades/Manual%20Proc_Enfer
[4] DUQUE, H. E MENOITA, E. (2009). Úlceras de Pressão – uma abordagem estratégica. Coimbra, Formasau.
[5] HALLOUET, P. E EGGERS, J. (2006). Fichas de Cuidados de Enfermagem, Lisboa, Climepsi Editores.
[6] LAZURE, H. (1994). Viver a relação de Ajuda: uma abordagem teórica e prática de um critério de competência da Enfermagem. Lisboa, Ed. Lusodidacta
[7] GUYTON, Arthur C (1992). Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro, 8ª ed, Guanabara Koogan
Docente (* Responsável):
Manuela Guerra (mmguerra@ufp.edu.pt)
Teresa Moreira (tmoreira@ufp.edu.pt)